sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Conheça o Partido Novo

O Partido Novo (NOVO) é um partido político brasileiro de direita ideologicamente alinhado ao liberalismo, tendo sido fundado por pessoas sem carreira política O partido teve seu registro deferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 15 de Setembro de 2015 e tem o 30 como número eleitoral. 

Fundação
O NOVO foi fundado em 12 de fevereiro de 2011 por 181 cidadãos de 35 profissões diferentes e oriundos de dez estados da Federação. Os integrantes do partido protocolaram no TSE o pedido de criação de um partido que seria chamado de NOVO. Segundo o fundador João Dionísio Amoêdo, engenheiro e administrador carioca que iniciou sua carreira como estagiário no Citibank, com passagem na direção da Fináustria CFI e Leasing, Unibanco, e do Itaú BBA, a ideia de formar um novo partido frente aos existentes está na seguinte declaração feita à Infomoney:
Nenhum dos atuais partidos defende as ideias que nós propomos. Além disso, para atrair pessoas engajadas, com vontade de mudar, seria mais fácil começar do zero.

João Dionísio Amoêdo
Suas ideias são alinhadas ao liberalismo econômico. O fundador do partido defende a redução da carga tributária e da interferência do Estado na vida das pessoas, bem como a privatização de empresas estatais (como a Petrobrás e o Banco do Brasil) e afirma que as empresas devem ser geridas pela iniciativa privada.

Processo de registro
Inicialmente com diretórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal, Mato Grosso, Roraima, Rondônia, Ceará e Rio Grande do Sul, o partido conseguiu angariar 497 mil certidões reconhecidas em cartório, dando entrada em Julho de 2014 ao pedido de registro no Tribunal Superior Eleitoral. Segundo Roberto Motta, ex-presidente do diretório do Rio de Janeiro[29], o NOVO poderia participar das eleições municipais de 2016. Em 26 de Junho de 2015, o TSE confirmou que não houve duplicidade nas assinaturas de apoio.

Em 15 de setembro de 2015, o NOVO teve seu registro definitivo aprovado após apresentar 492 414 assinaturas de eleitores apoiando a criação do partido, número superior ao mínimo exigido em lei. Também comprovou a fundação de nove diretórios estaduais (em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Rio Grande do Norte), outro requisito previsto por lei. No início de 2017, o partido figurava-se em primeiro na lista dos mais curtidos do Brasil no Facebook.

Organização
Programa partidário
Amoêdo, fundador do partido, afirma que não gosta das rotulações políticas, o que seria demonstrado nas propostas defendidas pelo partido. O partido diz focar-se na defesa de um Estado democrático que preserve as liberdades individuais, incentive o empreendedorismo, a concorrência, a participação do cidadão na vida política e na atuação nas áreas de educação básica, saúde, segurança, infraestrutura e preservação da moeda.

Dentre as propostas do partido, destacam-se o fim do voto obrigatório e o fim do fundo partidário; defendendo, portanto, o financiamento exclusivamente privado de campanha. O partido diz-se contra programas de cotas nas universidades, e defende também a flexibilização para o porte de armas. A privatização de empresas estatais como o a Petrobras e o Banco do Brasil também contam como prioridade para, segundo o presidente, melhorar a gestão pública. O objetivo principal, segundo os fundadores, é de assegurar a liberdade econômica, bem como de acabar com os privilégios estatais ao invés de apenas proteger uma elite.

Em entrevistas, Amoêdo aponta que o partido busca uma diminuição da carga tributária aliada ao corte de custos do Estado em áreas de grande impacto, mas reconhece a importância de programas sociais do governo, como o Bolsa Família, que possui influência mínima no orçamento comparado com outras políticas dos últimos governos. O NOVO também diz-se contra o tempo de propaganda gratuito na televisão e entre as propostas defendidas estão o incentivo ao empreendedorismo e a redução do protecionismo econômico.

O partido não declarou sua posição sobre a descriminalização do aborto, das drogas e do casamento homoafetivo, focando no discurso sobre o liberalismo econômico e a diminuição do Estado. Segundo críticos, o Novo defenderia um Estado mínimo, e é rotulado como "partido de banqueiros" devido ao background no mercado financeiro de Amoedo.


Filiação e candidatura
Segundo o site oficial do partido, são diferenciais do NOVO:
Ficha limpa: filiados e candidatos devem preencher os pré requisitos da lei Ficha Limpa;
Limitação ao "carreirismo político": é vedado ao filiado eleito para cargo no Poder Legislativo que se candidate a mais de uma reeleição consecutiva para o mesmo cargo;
Gestão independente: a gestão partidária não pode ser feita por candidato ou por ocupante de cargo eletivo;
Compromisso de cumprimento do mandato parlamentar: a renúncia a mandato eletivo para concorrer a cargo diverso ou ocupar cargo no Executivo, sem o aval do Diretório, é considerado ato de indisciplina partidária;
Vinculação do candidato às suas propostas: definição prévia do Compromisso de Gestão e do Compromisso de Atuação Legislativa prevendo metas a serem cumpridas;
Inexistência de cobrança percentual do salário do mandatário: a contribuição partidária mínima é igual para filiados e candidatos eleitos.
Para efetivar a candidatura pelo partido, o participante deve ser alfabetizado e ter acesso à internet para passar por um processo seletivo que incluiu prova online e entrevista presencial.

Presidentes
Nome Mandato Fonte
João Dionísio Amoêdo
Fundação — 4 de julho de 2017

Ricardo Taboaço
4 de julho de 2017 — 25 de julho de 2017

Moisés Jardim
25 de julho de 2017 — atualidade

Participação e desempenho eleitorais
Em 2016, em sua estreia, o NOVO elegeu quatro vereadores em quatro capitais, sendo elas, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre,[46] sem a utilização de fundo partidário,[47][48] os quais tiveram como pauta a redução da verba de gabinete, obtendo economia de R$1 milhão por ano, em um dos casos.[

Fundação Novo
A Fundação Novo é uma think tank ligada ao Partido Novo (NOVO) que tem com principais objetivos elaborar propostas para programas de governo; desenvolver estudos de políticas públicas, conduzir atividades de educação política, e realizar convênios e parcerias com outras instituições no Brasil e no exterior. Atualmente é presidida por Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e um dos formuladores do Plano Real

Da redação com Wikipedia




Nenhum comentário: